Notícia

11/08/2017

Vereadora Cleide Kamchen discursa sobre a história de Pomerode e os cemitérios dos Imigrantes

Acompanhe o pronunciamento da vereadora Cleide Kamchen realizado durante a Sessão Ordinária da última terça-feira, dia 08 de agosto.

Lombadas eletrônicas desativadas
Cleide Kamchen trouxe informações acerca das lombadas eletrônicas que estão desativadas. “Antes de vencer o contrato, repito, antes de vencer o contrato, foi lançado novo edital e nesse estava prevista a visita técnica das empresas interessadas. Ocorre que uma das empresas não compareceu nesta visita técnica e resolveu impugnar junto ao Município de Pomerode (Prefeitura) o edital que estava em andamento. No mesmo dia, também protocolou a mesma impugnação junto ao Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina. Devido à impugnação apresentada, o Tribunal de Contas entrou em contato com o Departamento de Licitação do Município de Pomerode e foi informado pelo Departamento que devido à impugnação foi suspenso o edital. Nesse contato ficou acordado que logo haveria análise do edital e seria enviado um parecer do Tribunal de Contas ao Município de Pomerode. Porém, até o momento o Município de Pomerode não recebeu o parecer. Então se decidiu pela confecção do contrato emergencial. O contrato emergencial já foi assinado e em breve as lombadas eletrônicas estarão novamente em atividade e a comunidade será comunicada, pelos meios de comunicação, da reativação”, disse. 

Audiência Pública
Cleide informou que no dia 11 de agosto, às 18h, na Câmara Municipal de Vereadores, ocorrerá audiência pública sobre a Causa Animal e solicitou a presença de todos. 

Aposentadoria de servidores públicos municipais
Cleide Kamchen parabenizou a professora de Português, Vera Lucia de Campos Selke Gueths, a professora das Séries Iniciais Cledi Brito Senger e o Servente Nilo Dallmann pelo alcance da aposentadoria.  

História de Pomerode e Cemitérios dos Imigrantes
Cleide mencionou o tema história de Pomerode abordado no Programa Plenário, da Câmara de Vereadores. “Na semana passada, no Programa Plenário, tivemos uma verdadeira aula de história sobre Pomerode, com o pesquisador e colega Edson Klemann, e com o professor, pesquisador e meu pai, Valmor Kamchen. Várias versões sobre o nome Pomerode, a criação do Distrito Rio do Testo em 1934, a emancipação política-administrativa em 1959, nomes dos nossos ribeirões, o tetrapé que fortaleceu Pomerode: cemitérios, escolas, igrejas e clubes de caça e tiro, além de outros detalhes. Acredito que a maioria do povo pomerodense tem conhecimento que os nossos imigrantes, os nossos pioneiros, os nossos antepassados trabalharam e lutaram muito pelo crescimento da nossa cidade. Agricultores, ferreiros, desbravadores abrindo estradas, instalação das indústrias próximas às rodas d’água, a cidade iluminada por lampiões durante muito tempo, não tinha energia elétrica e o salto, aqui na Rua Frederico Weege, caminho para Pomerode Fundos, produzindo energia para o centro da cidade. No Centro não havia muitas casas, como hoje. Então, agradecemos muito ao Edson Klemann e ao meu pai, Valmor Kamchen pela excelente explanação sobre o assunto”. Cleide continuou destacando a importância da preservação e do resgate de Pomerode. Colaborou com o tema apresentando algumas imagens do Cemitério de Imigrantes em Testo Alto (Rua Progresso) e no Centro (anexo à Igreja Luterana do Centro). “Todos desejamos chegar a algum lugar, mas de onde viemos, qual é a nossa origem? Visitando os Cemitérios dos Imigrantes no Centro e em Testo Alto, fica registrada a minha indignação, como acredito que também seja de outros. Pergunto: esse é o retorno, reconhecimento justo, respeitoso que está sendo dado aos nossos antepassados? Ok houve a roçada, mas analisem o estado atual das lápides, dos túmulos, das inscrições originais (muitas eram feitas em alemão). É lamentável o descaso. E nós descendentes desse povo trabalhador, desbravador, guerreiro não fomos capazes de preservar a nossa própria história, a nossa origem. E é importante ressaltar que nos anos 80, a Paróquia Evangélica Rio do Testo apresentou um projeto pronto de restauração dos túmulos para o Cemitério dos Imigrantes do Centro. Cemitério anexo à Igreja Luterana do Centro. Pastor Hugo Westphal, Pastor Hennings e Pastor Jorge Dieterich apoiaram e coordenaram este projeto. Este projeto foi discutido em uma assembleia e o Poder Público, representado pelo Prefeito Municipal da época, foi contrário ao projeto. Então foi criada a Comissão de Preservação do Cemitério. Comissão esta representada por pessoas que tinham algum laço de parentesco com os imigrantes sepultados e representada por membros do Poder Público. Ficou estabelecido que o Município de Pomerode (a Prefeitura) tomaria providências junto ao IPHAN. Que através de um convênio ocorreria a restauração do Cemitério dos Imigrantes do Centro. Porém, o tempo foi passando, vários prefeitos também passaram e tanto o Município de Pomerode (a Prefeitura) como o IPAHN pouco ou nenhum interesse mais mostraram na restauração. Portanto, a Igreja mostrou seu interesse, mas o Poder Público interferiu, não concordando que as melhorias fossem realizadas pela Igreja e o nosso Cemitério do Centro está destruído e abandonado. Eventualmente as roçadas são feitas no local. Mas não é o suficiente para a preservação. Triste, mas é a realidade. E neste ano, no dia 31 de outubro, serão comemorados os 500 anos, ou seja, cinco séculos da Reforma Luterana. E talvez, quem sabe, possa ocorrer uma parceria entre a Fundação Cultural, Poder Público e as comunidades de cemitérios, pois temos ainda o Testo Alto, o Wunderwald e outros, para restaurar o que é possível, resgatando a nossa história.  Saliento aqui que para alguns pode ser bobagem esse assunto, talvez até dizem que quem vive do passado é museu. Mas cito aqui a frase da historiadora Helena Pignatari. A mesma foi muito feliz quando mencionou que um povo sem memória, é um povo sem história. E quem não conhece o seu passado, pode também não saber como trilhar o seu futuro”, finalizou.